segunda-feira, 14 de junho de 2010

Produtos de Limpeza


È Claro hoje, mais que nunca, que os produtos de limpeza são fundamentais para a limpeza de nossas casas. Cada vez mais eficientes e práticos, eles fazem parte do cotidiano e são grandes armas na luta diária contra o encardido do azulejo ou aquela mancha insistente no uniforme das crianças e etc...



O que às vezes ninguém sabe e que tais produtos, têm modos de conservar e usar, podendo causar se ocasionalmente quando mal utilizado, grandes transtornos como alergias, queimaduras, intoxicações e até mesmo colaborar para a poluição do meio ambiente.
Os saneantes/produtos de limpeza são importantes na higienização de nossas casas e de outros locais, pois acabam com as sujeiras, germes e bactérias, evitando, assim, o aparecimento de doenças causadas pela falta de limpeza dos ambientes. Porém, se por um lado, detergente, sabão em pó e limpa-vidros formam um time poderoso contra a sujeira, seu uso excessivo pode causar grandes transtornos ao meio ambiente e até problemas à sua saúde.



Detergentes e sabões

Usados para tirar as sujeiras, principalmente as gorduras de pratos, copos, garfos, faca e etc...eles têm ação surfactante (ação de diminuir a tensão superficial da água) e podem causar distúrbios gastrintestinais intensos, vômitos, diarréia, distensão abdominais ou até a morte.
Estudos comprovam que os detergentes e sabões por sua ação desengordurante, tendem a ressecar a pele, pois retiram a camada natural de gordura das mãos. Portanto não é saudável ficar horas no banho, pois além de gastar uma quantidade imensa de água, irá também danificar sua pele, visto que, os sabonetes apesar de terem hidratantes em sua formula (na maioria), também tem o mesmo mecanismo de limpeza dos sabões e detergentes.
MARQUEZ (2008) cita que um detergente não tira a gordura só da louça, mas da pele também. Por isso, a necessidade de o rótulo dizer que o consumidor deve evitar o contato do produto com a pele. O uso de luvas para lavar louça ou fazer faxina é considerado um exagero, mas não é. Trata-se de um cuidado com a própria saúde. A ausência desse cuidado acarreta um grande número de casos de dermatites e outros problemas de pele.

Cera, lustrador e polidor:

Usados para dar brilho e proteção em pisos, assoalhos e proteger superfícies por ação física ou química, sendo um bom exemplo os polidores de móveis, estes contém destilados do petróleo e benzeno que são altamente tóxicos e podem causar dermatites, alergias, vômitos e câncer (STEWART,2008)..

Desinfetantes e Alvejantes

Usados principalmente para matar germes e bactérias, devem ser eficazes à temperatura ambiente, serem não-corrosivos e atóxicos para seres humanos.
Normalmente tem como principio ativo o hipoclorito, derivados da amônia, os peróxidos de hidrogênio e ácidos, têm como caracteristica marcante o ador forte e ação rápida.
Podem causar irritação, queimaduras, tonturas, dores de cabeça, nauseas, dores no estômago e vômito; sua ingestão pode causar até a morte (MARQUES,2008).
TACHIBANA explica que pode-se substituir a água sanitária usada para branquear roupas, usando na água do molho meio copo de bórax (substância não tóxica encontrada em farmácias).


Inseticida, Repelente de Insetos e Raticida:

Usados para matar ou expulsar insetos, roedores e outras pragas dos ambientes, sendo mais conhecido como veneno. Os venenos mais comuns deste grupo são os derivados dos organofosforado e os piretróides.
A intoxicação com eles pode afetar o sistema nervoso central e o sistema respiratório, são irritantes para olhos e pele, podem provocar reações alérgicas graves e hemorragias (MARQUES,2008).
Outro repelente comum é a naftalina, usado como veneno para baratas e traças, sua ingestão pode causar cólicas abdominais, náuseas, vômitos, alterações sanguíneas como a anemia hemolítica (STEWART,2008).


Meio Ambiente:


O uso indiscriminado do sabão e detergentes deixam as águas muito alcalinas (duras), formam espumas brancas nos rios, que reduzem a penetração do oxigênio do ar na água, diminuindo assim o oxigênio disponível na água para respiração. Além disso, existem algumas empresas que não respeitam a legislação que determina que os sabões e detergentes devem ser biodegradáveis, ou seja, que se degradam no meio ambiente. Há ainda alguns produtos de limpeza que tem em seus componentes, mercúrio e outros metais pesados que são altamente tóxicos (FELICONIO).
FELICONIO ainda em seu artigo “Produtos de Limpeza: o desafio de limpar a casa sem poluir o planeta - Parte II” dá dicas de como reduzir o impacto ambiental provocado pelo uso intensivo dos produtos de limpeza. Cito:



• Usar métodos físicos de limpeza na manutenção da casa: varrição da sujeira com vassouras, uso do aspirador de pó e do pano de pó. Eles diminuem a necessidade do uso de produtos químicos fortes.



• Evitar adquirir produtos em cuja fórmula constem componentes como cloro, formaldeído e solventes. É importante não comprar produtos clandestinos, sem embalagem própria ou rótulo que descreva os conteúdos químicos e indique o fabricante (ANVISA).



• Resgatar o hábito do uso da água quente combinada com sabão para desinfetar ambientes. Os modernos vaporizadores, nada mais são do que uma sofisticação tecnológica dessa antiga e eficiente prática de limpeza.



• Buscar alternativas para limpeza com produtos caseiros e igualmente eficientes. Exemplos:
a) Vinagre: tira manchas de tecidos, neutraliza odores fortes, remove gordura e limpa azulejos, fogões e panelas.
b) Bicarbonato de Sódio: serve para limpar pias, bidês e vasos sanitários em banheiros. Também substitui o cloro na remoção de limo. Basta deixá-lo agir por uma hora e depois retirar o limo com uma mistura de suco de limão e sal.
• Na hora da faxina, trapos, por sua vez, devem ser preferidos a toalhas descartáveis.



• Reaproveitar pedaços de sabões velhos. Siga os seguintes passos:
a) Misture os pedaços de sabões com um punhado de açúcar e vinagre
b) Derreta em banho-maria, misturando bem.
c) Coloque num vasilhame e deixe endurecer por dois dias.


• Procurar conhecer e testar os produtos de limpeza ecológicos que existem no mercado. Dar preferência aos produtos que tenham selo de certificação. Isso significa que as empresas passaram por uma auditoria sobre os processos e matérias-primas utilizadas.



Outros aspectos importantes segundo a cartilha consumidor consciente do PROCON (Procuradoria de Proteção e Defesa do Consumidor) de são Paulo são:





  • Guarde os produtos em locais fora do alcance de crianças e animais, em locais ventilados, ao abrigo do sol e da luz, em armários altos e fechados com chave;


  • Não guarde em cima ou embaixo de pias ou tanques, pois estes lugares são de fácil acesso;


  • Alguns produtos são inflamáveis e, por isso, devem ficar longe de aparelhos ligados ou que


  • produzam faísca, para evitar incên¬dios;


  • Não guarde esses produtos junto com alimentos ou medicamen¬tos;


  • Não misture os produtos e nunca reutilize as embalagens;


  • Não jogue a embalagem usada no lixo que esteja ao alcance das crianças. A criança pode encontrar e beber o “restinho” do produto líquido. Na hora de jogar fora a embalagem use, preferencialmente, a coleta seletiva.

Bibliografia



AGOSTINI, R.; Limpo e natural. Disponível em: http://www.bolsademulher.com/familia/limpo_e_natural-5699-1.html, acesso em: 28.mar.2010.


BORGES, M.; Uso de produtos de limpeza na gravidez pode aumentar riscos de asma na criança. Disponível em: http://michelsonvidasaudavel.blogspot.com/2008/08/uso-de-produtos-de-limpeza-na-gravidez.html , Acesso em: 02.abr.2010
Conheça novas classificações para os produtos saneantes. ANVISA,2006. Disponível em: http://200.198.201.69/divulga/noticias/2003/200803.htm . acesso em: 10,abr,2010.

Cuidados com os produtos de limpeza e desinfetantes. Consumidor consciente ano II – nº 06 – São Paulo/2008. Disponível em: http://www.procon.sp.gov.br/pdf/ConsumidorConsciente06-aberto.pdf , acesso em: 20. mar.2010.


FELICONIO, A. E.; Produtos de Limpeza: o desafio de limpar a casa sem poluir o planeta - Parte II. Disponível em: http://www.sitiodomoinho.com/jornal/powervoice/DefaultNewsShow.asp?Editoria=6&Noticia=72 , acesso em: 15.mai.2010.

MARQUEZ, F.; A saúde também está no rótulo. Agência Fiocruz de Notícias, 2008. Disponível em: http://www.fiocruz.br/ccs/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?from_info_index=81&infoid=1919&sid=3&tpl=printerview , acesso em: 20.mar.2010.

MARQUES, M. G. B.; Intoxicação por produtos saneantes domissanitários. 35º Conbravet /2008. Disponível em: http://www.anclivepars.com.br/palestras/conbravet/INTOXICACAO_POR_PRODUTOS.pdf , acesso em: 10. mar.2010.

Orientações para os consumidores de saneantes. Agência Nacional de Vigilância Sanitária/2003. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/saneantes/cartilha_saneantes.pdf, acesso em: 02. mar.2010.

SCHIO, R.; HESS, S.; Caracterização toxicológica de produtos domésticos que geram resíduos sólidos perigosos e sua destinação no município de Campo Grande-MS. Disponível: http://www.abrh.org.br/novo/ii_simp_rec_hidric_centro_oeste_campo_grande58.pdf, acesso em: 20. mar.2010.

STEWART, M.; O perigo dos produtos de limpeza, 2008. Disponível em: http://nutrividaverde.blogspot.com/2008/07/o-perigo-dos-produtos-de-limpeza.html acesso em 02.abr.2010.

TACHIBANA, J.; Limpeza Green. Disponível em: http://nutrividaverde.blogspot.com/2008_08_01_archive.html, acesso em 02.abr.2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário